Fazendas Klem/Klem Company participa da FOODEX Japão 2018

Juan Vargas, nosso gerente de exportação esteve participando da feira FOODEX 2018, apresentando o projeto de cafés orgânicos especiais para o mercado Asiático em parceria com Apex-Brasil.

Criador de tendências de consumo para toda a Ásia, o Japão é um importante mercado para posicionamento. Ações como a FOODEX ajudam a tornar os produtos brasileiros mais conhecidos dos consumidores japoneses, muito exigentes em termos de qualidade.

7º lugar na VII Prova de Cafés Certificados 2015

Colocamos o nome de Luisburgo – MG – Matas de Minas novamente em evidência.

7º Lugar Premiação na Semana Internacional do Café entre as Fazendas Certificadas no Brasil.

Nossos cafés com 86,33 Pontos. Agradecemos a Scamg, ao Sebrae e parabéns a toda equipe das Fazendas Klem.

Feira Internacional de Cafés Especiais em Bogotá

Fazendas Klem esteve presente na Feira Internacional de Cafés Especiais em Bogotá, a ExpoEspeciales 2015 que aconteceu entre os dias 15 e 18 de outubro de 2015

Cesar Viana Klem e Juan Collazos

Sr-Nagipe-Premio-Ouro-Azul

Concurso premia melhores propostas para preservação ambiental

Vencedores da 11ª Edição do Prêmio Ouro Azul foram apresentados no Teatro da AlterosaAs 32 melhores propostas de racionalização de recursos naturais e combate a desperdícios de energia elétrica foram conhecidas na entrega do 11º Prêmio Furnas Ouro Azul. Empresas, associações comunitárias, cidadãos comuns, estudantes e crianças participaram do concurso, que este ano teve mais de mil inscrições. Os vencedores do evento, que é uma iniciativa dos Diários Associados, patrocinada pela Eletrobras Furnas e governo federal, foram conhecidos em cerimônia realizada no Teatro Alterosa, na noite da segunda-feira 15/12/2012.

A premiação foi criada há mais de 10 anos para reconhecer projetos desenvolvidos em diversos âmbitos da sociedade que promovam o uso racional dos recursos naturais, muito antes da palavra sustentabilidade alcançar tamanho repertório e a preocupação com a preservação da água ser tão latente na sociedade. Minas Gerais é tão reconhecido pelas suas águas quanto pelos seus recursos minerais, o que justifica o reconhecimento nacional do Prêmio Furnas Ouro Azul, que mais do que premiar iniciativas exemplares: tem o objetivo de mobilizar as pessoas para o uso consciente e preservação dos recursos naturais.

O diretor-executivo do ESTADO DE MINAS, Geraldo Teixeira da Costa Neto, destacou a importância da iniciativa. “A função desse evento para nós dos Diários Associados é formar uma nova geração de pessoas que tenham a conscientização da importância da água. O próprio EM publicou duas matérias na semana passada questionando o uso da água. O que a gente quer é que o poder público e a sociedade de uma maneira geral abracem a causa e encontrem uma solução única. O poder público não pode resolver este problema sozinho e nem a sociedade como um todo. Então temos que juntar forças, pegar esses projetos que estão nas comunidades, nas escolas e nas empresas e torná-los realidade”, sugere.

A gerente da área social e cultural da Eletrobrás Furnas, Ana Cláudia Gesteira, falou sobre os resultados práticos da premiação ao longo de mais de uma década. “Na realidade é todo o resultado da implementação desse projeto. É uma iniciativa bem sucedida, devido à sustentabilidade, já que nesses 10 anos os projetos premiados foram monitorados, com resultados. A gente estava conversando com o pessoal que coordena os projetos e eles falaram que agora estão trabalhando nos desdobramentos, para que tenham novos resultados, novos embriões desse projetos.

Nesta edição do Ouro Azul foi concedida a premiação de destaque especial da primeira década do evento, que ficou com a Emater de Glaucilândia (Norte de Minas), com o trabalho “Rio das Pedras, sangue da nossa terra, parte da nossa vida”, 3º colocado de 2007. “Foi uma proposta que teve início em 2005 com um diagnóstico dos problemas, e aplicação dos novos métodos de trabalho da comunidade e preservação dos córregos afluentes e do Rio das Pedras. Ao longo desses anos, a agricultura da região, antes de subsistência, passou a gerar renda para a famílias ribeirinhas”, explicou o extensionista da Emater Antônio Dumont.

A participação dos projetos das empresas privadas e públicas mais uma vez enriqueceu as disputas do Prêmio Ouro Azul. A Fiat Automóveis, de Betim, foi a vencedora do setor privado. “Buscamos uma visão diferenciada da gestão de resíduos sólidos. Queríamos fazer além do que o mercado vem fazendo. Hoje a Fiat se orgulha em dizer que não envia mais nenhum tipo de resíduos a aterro industrial, mesmo ele sendo licenciado”, explicou o gerente de Meio Ambiente da montadora Cristiano Felix. O gerente falou ainda da participação da empresa na premiação. “Há tempos a Fiat participa do Ouro Azul, pela importância que esse prêmio tem em Minas e no Brasil. Para a gente é importante participar de prêmios que sejam chancelados pelo governo federal e mineiro e por uma grande instituição que são os Diários Associados.

No setor público, além do primeiro lugar, a Copasa comemorou o terceiro lugar do projeto de sua subsidiária, a Copanor. “A Copasa ganhou pelo serviço social que presta. É um reconhecimento importantíssimo, pois o Ouro Azul é um prêmio que milita no setor de tratamento, que tem responsabilidades com os recursos hídricos. Ter esse reconhecimento, é um indicativo de que estamos no caminho certo. Hoje para nós é extremamente gratificante. A Copasa ganhou o terceiro lugar com sua subsidiária, a Copanor, pelo serviço social que ela presta de melhoria da qualidade de vida, por dar melhores condições às pessoas carentes, socialmente menos favorecidas. E a Copasa com um projeto de inovação, que muito nos orgulha. São dois investimentos da Copasa, social e tecnológico, com o objetivo de melhorar as condições da população mineira”, destacou o presidente da empresa, Ricardo Simões.

Destaque mirim

As crianças participaram da premiação, com mais de 900 inscrições, com trabalhos de redação e desenho em torno do uso dos recursos hídricos e preservação do meio ambiente. A aluna Ana Luisa de Andrade, do Colégio Espanhol Santa Maria, de Belo Horizonte, foi o destaque especial. “Fiz dois desenhos, dois poemas e uma redação. Desenhei crianças dentro de uma gota d’água, para alerta sobre a importância da água, que é vida”, disse a estudante.

O diretor-executivo do EM, comemorou a participação infantil. “O tema da água nunca esteve tão na pauta e as crianças estão aderindo, os colégios, enfim, a comunidade está abraçando de uma maneira muito emblemática esse prêmio. A essa geração que está surgindo, a gente tem que dá informação, seja por meio da premiação, ou incentivando professores e empresas”, assinalou Geraldo Teixeira.

“Um dos pilares da área de responsabilidade social da Eletrobrás Furnas é o trabalho com foco na educação de crianças e adolescentes. A gente tem investido nesse projeto, com as crianças, pois elas são o futuro desse Brasil. A gente tem tido bons resultados, pois elas acabam se comprometendo mais, meio que educando os adultos para essa questão que é o desperdício da água, preservação do meio ambiente”, explico a gerente da empresa Ana Cláudia Gesteira.

Hoje, 18 de dezembro, na edição do ESTADO DE MINAS, circula o caderno especial sobre premiação da 11ª edição do Ouro Azul. Nele o leitor vai poder conhece em detalhes os projetos finalistas e seus autores, além das propostas da iniciativa.

CONHEÇA OS TRABALHOS VENCEDORES 

– Destaque 10 anos

Emater (Glaucilândia)

– Empresa privada

Fiat Automóveis (Betim) – Nova visão de resíduos – aterro zero

– Empresa Pública

Copasa (B. Horizonte) – Gogeração de energia – aproveitamento energético do biogás da ETE

– Comunidade (ONG e associações)

Caminhos da Serra Ambiente, Educação e Cidadania (Gouveia) – Cuidando do Rio Paraúna

– Pessoa física

Sr-Nagipe-Premio-Ouro-Azul

Eduardo Antônio Pinheiro (Manhuaçu) – Águas da Pedra Dourada

– Acadêmico estudante nível superior

Jéssica Moreira de Andade (Lavras) – Preparação e caracterização de material híbrido entre sílica e alfa-ciclodextrina para aplicação na industria têxtil

– Pós-graduado – mestres e doutores 

Maria Lúcia Prado Costa (Paraguaçu) – Capacitação de educadores em educação ambiental e educação patrimonial focada em recursos hídricos: A fazenda-escola Fundamar

– Mirim – desenhos de 5 a 7  anos

Fernanda Cadar de Freitas Aguiar Alves, de 7 anos, Colégio Magnum/B. Horizonte

– Mirim – desenhos de 8 a 10 anos

Luisa Costa e Silva Peixoto, de 10 anos, Colégio Magnum/B. Horizonte

– Mirim – redações de 5 a 7 anos

Lívia Mendes, de 7 anos, Colégio Nossa Senhora das Dores/B. Horizonte

– Redações de 8 a 10 anos

Fernanda Toledo Arruda, de 11 anos, Colégio Santo Agostinho/ B. Horizonte

– Destaque mirim

Ana Luisa de Andrade, de 10 anos, Colégio Espanhol Santa Maria

fonte: O Estado de Minas

certificado-coffee-year-brasil-2014

Fazendas Klem recebe prêmio Coffee OF The Year 2014

l lldsflçskdlfç lfdlkl klç lk ldsf

ds lfklsdkfçlsdk çlkdsl kld kl dkl fd

ldfkldsk ldsk lfskdflçkds

Região das Matas de Minas – Vídeo Institucional

A Região das Matas de Minas é uma origem produtora de cafés especiais, composta por 63 municípios, situada em uma área de Mata Atlântica, no leste do Estado de Minas Gerais.

Nossa produção é naturalmente sustentável, marcada pela predominância da agricultura familiar, pelo impacto econômico e social direto e indireto e integração natural entre o homem e a mata, fatores culturais presentes na cafeicultura da nossa região.

matasdeminas.org.br